Mono laurina na prevenção e tratamento de pacientes com COVID-19

Ano de publicação: 2020

OBJETIVO:

Esta nota técnica tem por objetivo apresentar informações sobre o uso da monolaurina na prevenção e no tratamento de pacientes com COVID-19.

DOS FATOS:

Trata-se de despacho proveniente do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE) e encaminhado ao Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde (DGITIS/SCTIE/MS). O despacho em questão apresenta um e-mail encaminhado pelo profissional Dr. Ronaldo Amaral de Paiva (vinculado à Universidade Federal de Viçosa), intitulado “Ações técnicas efetivas para o combate à Covid-19”, que traz informações acerca do uso da monolaurina no tratamento da COVID-19 para análise no âmbito de suas competências e medidas julgadas pertinentes.

BUSCA NA LITERATURA E SELEÇÃO DOS ESTUDOS:

Com base na pergunta PICO estruturada, foram realizadas buscas nas bases de dados Medline (via PubMed) e Embase com acesso em 05 de maio de 2020. As estratégias de busca estão descritas conforme o Quadro 2 abaixo e mostram que não foram identificados estudos científicos sobre a questão de pesquisa. As plataformas de registros de ensaios clínicos ClinicalTrial.gov e International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP), da Organização Mundial de Saúde (OMS), também foram consultadas.

Foram utilizados os termos de busca:

SARS-COV-2, COVID-19, 2019 novel coronavirus, 2019-nCoV, severe acute respiratory syndrome coronavirus 2, Wuhan coronavirus, COVID, monolaurin e glycerol monolaurate. Da mesma forma, nenhum estudo foi identificado em ambas as plataformas de registro.

CONCLUSÕES:

Embora haja evidências substanciais de ação antiviral de monoglicerídeos em vírus de RNA envelopados, não foram identificadas evidências científicas que corroborem o uso da monolaurina na prevenção ou tratamento de pacientes da COVID-19. Portanto, não foi possível aferir informações sobre um potencial efeito da substância sobre as membranas protetoras do SARS-CoV-2. Sendo assim, conclui-se que não há eficácia comprovada do uso na prevenção e tratamento da COVID-19. É prudente alertar sobre o crescente número de informações on-line, pretensamente fundadas em evidências científicas, que disseminam suposições de que produtos naturais, como o óleo de coco (23,24), teriam um efeito “protetor” contra a infecção pelo SARS-CoV-2. Não há qualquer regulamentação por nenhuma agência de vigilância sanitária nacional ou internacional para esses produtos que inclua essa finalidade de uso. Haja vista a precariedade de evidências acerca do tema, o presente documento será atualizado à medida que elas forem identificadas.

Mais relacionados