Ivermectina para COVID-19: revisão sistemática rápida

Ano de publicação: 2020

CONTEXTO:

O surgimento do novo coronavírus causou grande impacto na comunidade científica. Em todo o mundo diversas pesquisas estão sendo realizadas para avaliar possíveis tratamentos para a COVID-19. Até o momento não há nenhum medicamento com eficácia comprovada para o seu tratamento.

OBJETIVOS:

Identificar, avaliar sistematicamente e sumarizar as melhores evidências científicas disponíveis sobre a eficácia e a segurança do uso da ivermectina para COVID-19.

MÉTODOS:

Revisão sistemática rápida (rapid review methodology).

RESULTADOS:

Após o processo de seleção, não foi identificado nenhum estudo clínico com resultado publicado. Dessa forma, optamos por incluir o estudo in vitro realizado por Caly et al (2020). Neste estudo a ivermectina mostrou reduzir 93% do material genético do SARS-CoV-2 em 24 horas e uma redução de 99,8% após 48 horas. No entanto, estudos in sílico, que utilizam uma abordagem computacional para simular os mecanismos de farmacocinética e farmacodinâmica do medicamento, examinaram a relevância clínica das concentrações avaliadas no estudo in vitro da ivermectina. Os resultados indicam que as concentrações plasmáticas de ivermectina não alcançaram a concentração efetiva (CE 50%) relatada por Caly et al. Estudos in vitro são comumente realizados nos estágios iniciais do desenvolvimento de medicamentos. Atualmente há quatro ECR em andamento, com resultados previstos a partir de agosto de 2020.

CONCLUSÃO:

Apesar dos resultados positivos do estudo in vitro, ainda não é possível saber se a eficácia se repetirá no uso em humanos. Portanto, o uso da ivermectina no tratamento da Covid-19 permanece não comprovado e depende dos resultados dos ensaios clínicos em andamento para que haja avanço no reconhecimento de sua eficácia e segurança no tratamento da COVID-19.(AU)

Mais relacionados