Atazanavir para a COVID-19: revisão sistemática rápida

Ano de publicação: 2020

CONTEXTO:

Esta foi uma revisão rápida desenvolvida durante a epidemia da COVID-19 no Brasil no intuito de informar cientificamente, e de modo imparcial, a tomada de decisão em saúde.

OBJETIVOS:

Identificar, avaliar sistematicamente e sumarizar as melhores evidências científicas disponíveis sobre a eficácia e a segurança do uso do atazanavir para COVID-19.

MÉTODOS:

Revisão sistemática rápida (rapid review methodology).

RESULTADOS:

Foram realizadas buscas sistemáticas nas principais bases de dados, as buscas foram realizadas no dia 13 de abril de 2020 e atualizadas no dia 28 de abril de 2020. Após o processo de seleção, não foi identificado nenhum estudo clínico realizado com o atazanavir para o tratamento de pacientes com COVID-19. Também não há estudos em andamento. Os estudos disponíveis foram realizados in vitro e apresentam resultados contraditórios. Em um dos estudos os autores relataram que não foi observada atividade antiviral do atazanavir contra a SARS CoV-2. Em outro estudo, o atazanavir sozinho e associado ao ritonavir apresentou inibição da replicação viral de SARS-CoV-2 em diferentes linhagens celulares, e a associação de ritonavir ao atazanavir demostrou ser ainda mais potente na inibição da replicação de SARS-CoV-2 comparado com atazanavir sozinho e com cloroquina. A ação inibitória de atazanavir isolado e associado ao ritonavir também foi comprovada em células epiteliais pulmonares humanas.

CONCLUSÃO:

Apesar dos resultados divergentes dos estudos in vitro, o atazanavir é um medicamento em potencial a ser avaliado em ensaios clínicos quanto a eficácia no tratamento da COVID-19. Até o momento, o uso de atazanavir no tratamento da COVID-19 permanece não comprovado e depende de testes clínicos para que haja avanço no reconhecimento de sua eficácia.(AU)

Mais relacionados