Certolizumabe pegol para o tratamento da Doença de Crohn

Año de publicación: 2012

A Doença de Crohn (DC) é uma doença inflamatória crônica intestinal de origem não conhecida e caracterizada pelo acometimento focal, assimétrico e transmural. Pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal, da boca até o ânus, e freqüentemente provoca fibrose e sintomas obstrutivos. Apresenta-se sob três formas principais: inflamatória, fistulosa e fibroestenosante. Os segmentos mais freqüentemente acometidos são o íleo, o cólon e a região perianal. Acredita-se que a doença seja resultado de um desequilíbrio entre mediadores pró-inflamatórios e antiinflamatórios. Devido à multiplicidade de apresentações e semelhança com outras patologias, seu diagnóstico é difícil. É feito pela análise conjunta de dados endoscópicos, histológicos e radiológicos, mostrando acometimento focal, assimétrico, transmural ou granulomatoso. A seqüência dos procedimentos diagnósticos é estabelecida pela apresentação clínica. Nos exames radiológicos os achados mais característicos são o acometimento do intestino delgado e a demonstração de fístulas. A endoscopia mostra tipicamente lesões ulceradas, entremeadas de áreas com mucosa normal, acometimento focal, assimétrico e descontínuo, podendo também ser útil para a coleta de material para análise histopatológica. A análise histológica pode indicar acometimento transmural (quando da análise de ressecções cirúrgicas), padrão segmentar e presença de granulomas não caseosos, que, apesar de serem considerados patognomônicos, estão presente em menos de 50% dos casos em amostras cirúrgicas. Os principais sintomas da DC são dores abdominais, diarréia de urgência, lesões anais, sangramento retal, febre, formação de fístulas (pequenas passagens que conectam o intestino com outros órgãos ou com a pele), fadiga, perda de peso e sintomas obstrutivos intestinais. A história natural da doença é marcada por recorrências agudas com períodos de remissão entre elas.

A TECNOLOGIA:

O Certolizumabe pegol é um fragmento Fab’ de um anticorpo humanizado recombinante inibidor do fator de necrose tumoral alfa (TNF α) expresso na Escherichia coli e conjugado com polietilenoglicol (PEG). A peguilação melhora o perfil farmacocinético e prolonga a meia-vida, permitindo uma dose subcutânea a cada quatro semanas.

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS:

A busca foi refeita utilizando outras estratégias de busca nas bases de dados Medline (via Pubmed), Cochrane Library e CRD. Os termos utilizados foram “crohn disease”, “certolizumab pegol”, “certolizumab”.

Foram encontrados os mesmos estudos citados no processo:

três metanálises, uma elaborada pela Colaboração Cochrane e as outras duas tiveram a sua qualidade avaliada por essa. Logo, quanto à estratégia de busca pode-se dizer que esta se apresenta pertinente quanto à adequação das bases de dados, dos desfechos selecionados, dos critérios de inclusão e exclusão, da qualidade metodológica e relevância dos estudos incluídos. Com relação a conflitos de interesse um destes três estudos (Peyrin-Biroulet et al)8 cita o apoio à pesquisa do Centocor, Laboratórios Abbott, UCB Pharma , Immunex e Serono Internacional, bem como a consultoria de parte dos autores para estas empresas e outras como a Schering-Plough.

DELIBERAÇÃO FINAL:

Os membros da CONITEC presentes na 1ª reunião extraordinária do plenário do dia 04/07/2012, por unanimidade, ratificaram a deliberação de não recomendar a incorporação do medicamento Certolizumabe Pegol para o tratamento da Doença de Crohn.

DECISÃO:

PORTARIA SCTIE/MS Nº 27, de 13 de setembro de 2012 - Torna pública a decisão de não incorporar o medicamento Certolizumabe pegol para o tratamento da Doença de Crohn no Sistema Único de Saúde (SUS).

Más Relacionados