Troca de profissional médico: procedimento de injeção intravítrea
Change of physician: intravitreal injection procedure
Cambio de professional médico: procedimiento de inyección intravítrea

Publication year: 2015

INTRODUÇÃO - CONTEXTO: O tratamento farmacológico das doenças do vítreo e da retina é uma importante modalidade terapêutica em Oftalmologia, em especial, no tratamento de doenças retinianas como a degeneração macular relacionada à idade. A indústria farmacêutica promoveu grande investimento nessa área, trazendo grandes avanços para o tratamento das doenças intraoculares . O olho oferece uma situação privilegiada para a farmacoterapia, pois é um órgão exposto de fácil acesso cirúrgico e tem uma farmacocinética relativamente bem estudada. A aplicação ocular do fármaco minimiza a sua absorção sistêmica, evitando-se assim as eventuais complicações associadas ao uso sistêmico. As diversas vias de acesso para a aplicação de agentes farmacológicos, na terapia de doenças da retina, incluem a injeção justa-escleral, a inserção de implantes intraoculares e a injeção intravítrea de drogas. A injeção intravítrea é a técnica mais difundida, no momento, devido a sua menor complexidade e maior precisão em fornecer quantidades significativas de drogas aplicadas diretamente sobre o tecido retiniano. Algumas das desvantagens da injeção intravítrea são os riscos inerentes ao procedimento em si, incluindo o aumento da pressão intraocular, endoftalmite, a toxicidade ocular e retiniana do fármaco, e a curta meia-vida intra-ocular de muitas das drogas disponíveis para uso intravítreo.

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO INTRAVÍTREA:

O esquema de tratamento para DMRI exsudativa e neovascularização retiniana através de injeção intravítrea de medicamento anti-VEGF inclui uma fase de indução, constituída de aplicações com intervalo de 4 a 6 semanas entre elas por meses, seguida de uma fase de manutenção, conforme resposta ou protocolo, por vezes em manutenção contínua por vários meses. A dose intravítrea a ser aplicada é variável de acordo com o fármaco utilizado e definida por padrões e estudos específicos, refletidos nas bulas de cada medicamento, assim como técnicas de aplicação, eventualmente com injeções específicas. Não é recomendada a aplicação nos dois olhos simultaneamente, mas com um intervalo de, pelo menos, duas semanas. A preparação da dose a ser administrada deve ser realizada em área controlada, como a destinada ao preparo de medicamentos injetáveis antineoplásicos. As questões sobre a manutenção da estabilidade e esterilidade do medicamento após fracionamento devem ser observadas e devem seguir as normas descritas na RDC n° 67/2007, que estabelece as Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em Farmácias.

CONCLUSÃO:

Mediante o exposto nesta nota técnica, observa-se que o procedimento médico de injeção intravítrea de medicamentos anti-angiogênicos (anti-VEGF) para doenças retinianas é eficaz e necessita de diversas aplicações protocolares para seu resultado efetivo e persistente. Portanto, expõe-se a dúvida de que se a troca de profissional médico que iniciou o tratamento por outro possibilitaria algum dano ao paciente. Assim, de acordo com as análises ao longo desta nota, observa-se que não há prejuízo ao paciente pela simples troca de médico, seja por intenção do próprio paciente, do próprio médico ou na adequação de estratégias de saúde públicas ou no contexto de adequações em procedimentos do SUS. Entretanto, é mister evidenciar que tal troca de profissional médico em meio à um tratamento crônico somente não prejudicará o paciente se os critérios abaixo foram cumpridos, eliminando riscos inerentes a esta troca, conforme explanado ao longo desta nota: -Critérios Técnicos: o novo profissional médico deve ser Oftalmologista com experiência comprovada em doenças vítreo-retinianas e em injeções vítreas de anti-angiogênicos. Tal experiência garante o melhor tratamento ao paciente dentro dos protocolos e diretrizes estabelecidos na literatura médica, assim como melhor manejo de eventuais complicações inerentes ao procedimento; -Critérios Organizacionais: o procedimento deve ser realizado em ambientes cirúrgicos que permitam proteção à manipulação da droga e assepsia em sua aplicação, evitando ou minimizando eventuais possíveis complicações; -Critérios Éticos: Toda a transição entre as partes envolvidas, seja o paciente, o médico anterior e o novo médico assistente, deve ser regida pelo Código de Ética Médica. Portanto, o médico prévio deverá, sob autorização do paciente, fornecer ao novo médico todos os dados pertinentes ao tratamento, assim como estratégias protocolares, exame realizados e padrões da doença a fim de permitir uma manutenção da terapêutica sem prejuízos ao paciente; -Critérios Científicos: O tratamento do paciente deve seguir protocolos específicos de tratamento com os medicamentos intra-vítreos, de acordo com o esquema previamente estabelecido, salvo em caso de benefícios claros para a melhora do quando clínico em alteração avaliada pelo novo médico assistente. Portanto, supridos os critérios técnico- científicos, organizacionais e éticos nas relações médico-paciente, não há riscos inerentes à simples troca de médicos durante o tratamento crônico de injeção para administração vítrea de medicamentos, uma vez que todos os procedimentos são regidos por diretrizes já estabelecidas e seguidas. Vale ressaltar que os riscos inerentes ao procedimento em si devem permanecer os mesmos, independentemente da troca de médico assistente.